Se há alguma palavra que se pode associar a Richard Stallman, essa palavra será “liberdade”. Este programador, polémico e controverso para alguns, guru para outros, é o fundador do movimento do software livre, defensor de uma informação sem censura e lutador contra os programas mais restritivos.

Richard Stallman

Stallman nasce em 1953, em Nova Iorque. Teve a sua primeira experiência com computadores quando trabalhou no Centro Científico da IBM.

A sua reivindicação a favor do software livre iniciou enquanto estudava Física na Universidade de Havard. Durante essa época, começou a programar no Laboratório de Inteligência Artificial do MIT. Aí, os seus colegas tentaram alterar o software livre do MIT pelos seus próprios, privados.

Entre 1982 e 1983, Stallman tentou impedi-lo e, com base na sua luta, a 27 de setembro de 1983, começou o projeto GNU que inicia o movimento do software livre. O seu objetivo consiste em permitir aos utilizadores executar, copiar, distribuir, estudar, modificar e melhorar o software e que este substitua o software que é distribuído em troca de um benefício económico.

Projeto GNU

Projeto GNU

Em 1985, Richard Stallman escreveu e publicou o Manifesto GNU, que explica as metas do Projeto GNU e apela ao seu apoio. Este documento é a bíblia dos seus seguidores, considerado uma fonte filosófica fundamental.

Nesse mesmo ano, funda a Free Software Foundation com o objetivo de difundir as suas ideias. Entre os seus vários projetos, encontra-se um diretório que alberga mais de 5000 programas de software livre, iniciativa que é, inclusive, financiada pela UNESCO.

Em 1991, Linus Torvalds, um engenheiro finlando-americano, lançou o Linux, que completou o que faltava ao GNU e deu lugar ao sistema operativo GNU/Linux. Todo o seu código-fonte pode ser utilizado, modificado e distribuído sob os termos da Licença Pública da GNU.

Stallman também é criador to termo copyleft: defende que o trabalho seja livre e procura que também o sejam as versões modificadas e estendidas do mesmo. Para ele, todas as obras deveriam utilizar licenças copyleft.

Richard Stallman num conferência da Universidade de Valência (fonte: El País)

Richard Stallman num conferência da Universidade de Valência (fonte: El País)

Agora, Richard Stallman enche auditórios em todo o mundo, difundindo a ideologia GNU e ganha fãs e inimigos onde quer que vá. Não se importa a dar a sua opinião sobre temas políticos ou económicos e critica abertamente importantes empresas multinacionais.

“Os estados deveriam apostar pelo software livre para reclamar a soberania informática do país”, é uma das suas citações mais polémicas. Longe de controvérsia, a liberdade é o centro do seu trabalho, daí a sua frase “se valorizarmos a nossa liberdade, podemos mantê-la e defendê-la”.